Atendimento:
(48) 3028-5312
(48) 3879-4479

contato@melissabristot.com.br

Endereço:
Ed. Belo Empresarial – Av. Osmar Cunha, Nº 126
Rua Nereu Ramos, Nº 96 – (sala 213)
Centro Florianópolis/SCObs: (Edifício com entrada nas 2 ruas)

Horários:
2ª feira – 5ª feira:
8h30 – 12h00 | 13h00 – 18h00
6ª feira:
9h00 – 12:00 | fechado na parte da tarde

Dra Melissa Bristot - Dermatologista | Herpes
15961
page-template-default,page,page-id-15961,page-child,parent-pageid-15875,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Herpes

O QUE É HERPES?
Herpes é o termo genérico usado para denominar as infecções mais comuns causadas pelos Herpesvírus, o herpes simples e o herpes zoster. O herpes simples é doença que acomete principalmente a boca e os genitais, mas que ainda pode afetar qualquer parte da pele e até mesmo órgãos internos. O herpes simples pode ser causado pelos herpesvírus humanos tipo 1 e 2. O herpesvírus humano tipo 3 causa tanto a varicela (“catapora”), como também o herpes zoster, popularmente chamado de “cobreiro”.

COMO SE PEGA O HERPES?
Os herpesvírus 1 e 2 são transmitidos pelo contato de uma pessoa infectada com outra susceptível. O lábio, os olhos e as mucosas genital e anal são os locais mais sujeitos ao contágio. O herpesvírus tipo 1 em geral é adquirido na infância, principalmente pelo beijo, enquanto o tipo 2 geralmente se adquire na vida adulta por contato sexual. O vírus tipo 3 é adquirido na forma de varicela, também pelo contato da pessoa susceptível com outra com a doença em atividade. Os vírus do herpes simples e do herpes zoster estão distribuídos por todo o mundo.

COMO O HERPES SE MANIFESTA?
Na maioria das vezes, a primo-infecção (quando se adquire o vírus após o contágio) pelo herpes simples não causa sintomas. Em poucas pessoas a infecção se manifesta como vesículas e bolhas dolorosas na boca, lábios, olhos, genitais e na pele. Em geral a erupção dura em torno de sete a 10 dias e então o vírus entra em estado de dormência, permanecendo nos neurônios dos gânglios sensoriais. No indivíduo que já teve varicela, quando há comprometimento da imunidade por doenças, estresse ou medicamentos que baixam a resistência, o vírus pode ser reativado e causar o “cobreiro” e não a “catapora”. O herpes zoster se manifesta por vesículas e bolhas, geralmente muito dolorosas, que seguem um “trajeto linear” que corresponde ao trajeto de um nervo pelo qual o vírus “desce”.

POR QUE O HERPES SEMPRE VOLTA?
Após a infecção, o vírus se aloja em estruturas do sistema nervoso chamadas gânglios sensoriais. Nestas estruturas o vírus permanece em estado de latência (dormência) por toda a vida. Quando as defesas do portador ficam comprometidas o vírus pode se multiplicar e voltar a se manifestar. Estresse, irradiação ultravioleta (sol), outras infecções virais, doenças e medicamentos que reduzem a defesa imunológica são condições capazes de reativar o herpes simples. Em média, um portador do vírus tem quatro episódios ao ano. Já o vírus da catapora também fica alojado nos gânglios sensoriais, mas não têm a mesma tendência a recorrer várias vezes. Quando o vírus é reativado, o indivíduo apresenta o quadro conhecido como “cobreiro”, que acomete preferencialmente pessoas idosas e aquelas com comprometimento do sistema imune.

O HERPES TEM CURA?
Apesar de não existir a “cura propriamente dita” do herpes, existem medicamentos para tratar as crises e também visando a diminuir a freqüência das suas recorrências. Há também tratamento para as complicações da doença. O herpes zoster deve ser tratado precocemente para se evitar o desenvolvimento da neuropatia pós-herpética. Várias vacinas estão sendo testadas para prevenção do herpes simples, mas até o momento nenhuma ainda foi liberada pelos órgãos reguladores para uso clínico.